A primeira travessia a gente nunca esquece

Tempo de leitura: 3 minutos

Bonaire, 31 de Agosto de 2016.

Depois de muito esforço e ansiedade finalmente nosso barco voltou pra água e seguimos novamente em direção a Spanish Water para tocar a nossa vida ancorado. Foi muito bom poder voltar a mergulhar diariamente e ver o por do sol avermelhado.

Agora com a vida mais organizada o videogame mudou de fase de novo e chegou a hora de encarar de frente o estudo das crianças nos antecipando alguns dias ao início do período escolar. Eu e a Raquel nunca tínhamos dado aula pra ninguém e está sendo uma experiência diferente tanto para nós quanto para as crianças.

Aulas como de geografia, matemática ou ciências até que são bem interessantes mas o bicho pega mesmo quando temos que ensinar gramática em inglês, afinal de contas nosso inglês niteroiense não ajuda muito nesta hora.

Outra novidade da semana é que depois de uma longa espera pintou uma boa janela de tempo com vento de sudeste e mar “pequeno” e seguimos nosso rumo para Bonaire fazendo a nossa primeira pequena travessia.

Seguimos viagem acompanhado de perto pelos amigos do veleiro Pura Vida. Mais uma vez foi muito bom poder contar com amigos do mar mais experientes para nos dar dicas e sugestões. Inclusive veio deles a pilha pra anteciparmos a nossa ida pra Bonaire aproveitando a janela de bom tempo. Obrigado amigos !

Saimos com o dia raiando e logo depois de deixarmos o abrigo do canal de entrada da Spanish Water o mar já mostrou a sua força. Apesar da previsão de tempo favorável, as primeiras 3h foram bem duras pois tinhamos que contornar Curaçao pegando vento e mar de frente. O barco pulou e bateu igual um cabrito espirrando água para todos os lados, testando a resistência da nossa jovem e inexperiente tripulação. Não teve jeito, todo muito ficou mareado a começar por mim. O Lucca ficou agoniado segurando o vômito.. e so relaxou mesmo depois que me viu vomitar e ai sim ele relaxou e mandou o dele. “Até que não é tão ruim assim, não é papai.. já estou bem melhor”, disse ele aliviado.

A coisa começou a melhorar pouco depois que nos afastamos de Curacao. Com águas mais profundas o mar começou a se organizar e com o vento de Sudeste – conforme previsão do tempo – abrimos nossa genoa para uma velejada muito mais prazerosa.

A chegada em Bonaire foi dos deuses. A medida que nos aproximamos da ilha o mar foi abrigando e ficando cada vez mais calmo e com vento constante o Itacaré deslizou lindamente em um mar azul claro de cartão postal.

Estamos nesse momento em uma poita em frente a vila e por aqui devemos ficar pelos próximos 20 a 30 dias…. usaremos esse tempo e sossego para com calma conhecer a ilha e, principalmente, adaptar com calma a escola das criança.

Recentemente reencontramos nossos amigos franceses Sylvan e Izabelle do Oxygen – eles também estavam em Bonaire depois de quase 45 dias “perdidos” entre Los Roques e Los Aves. Eles inclusive botaram uma pilha enorme para já já levantarmos ferro e seguirmos para lá. Apesar de ser também outra velejada contra vento..  estamos a cerca de 30 e 60 milhas destes paraísos.  Vamos ver… um dia por vez, e vamos ajustando nossos planos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.